Estrategia Regional y Proyecto Regional en Galicia de los Caminos de Santiago 2009

año Jacobeo


Estratégia Regional dos Caminhos de Santiago em Castela e Leão 2009, año Jacobeo
Descrição: Estratégia de valor, proteção e participação do público em torno dos Caminhos a Santiago
Agência: Ministério da Cultura, Junta de Castilla y León.
Ano: 2006-2009
Focar hoje no planejamento de um sistema territorial, ou um conjunto de sistemas territoriais para ser mais preciso, como os Caminhos Jacobinos, requer uma metodologia de planejamento territorial. O patrimônio possui um duplo componente, conservação e gestão, indissociavelmente unidos, que requerem uma visão horizontal dos fenômenos. 
Uma política passiva de preservação de valores não pode ser viável em um contexto em que aspectos sociais, econômicos ou ambientais estejam em crise. Para destravar e implementar políticas de proteção ao patrimônio, devemos começar por considerar estratégias, como eixos básicos e linhas de trabalho, e objetivos concretos ou propostas de ação.
Os itinerários que constituem os Caminhos de Santiago servem como ponto de ligação e conexão entre diferentes sistemas de patrimônio territorial (STP) considerados no PAHIS (Plano do Patrimônio Histórico de Castilla y León). As tarefas eram:
Abordar um breve diagnóstico dos fenômenos e transformações mais importantes dos Territórios Jacobinos e especialmente do ambiente do Caminho Francês.
Defina uma metodologia de trabalho para identificar os postos-chave de um projeto para classificar os Caminhos a Santiago.
Propor um conjunto básico de critérios de delimitação, deslinde e intervenção nas Estradas com base no conceito de paisagismo e gestão da terra.
Eixos estratégicos
A proposta final para a estratégia regional foi baseada em quatro eixos:
Eixo 00 Coordenação e Colaboração: Convenções com Associações, Diocese, Ministério do Interior, Ministério da Cultura, Centro de Estudos e Documentação do Caminho, etc., para a proteção da peregrinação e estradas; incentivos fiscais para a promoção do investimento privado; Regulamentos para a proteção de estradas para uso de veículos automotores (quadriciclos, etc...) ...
Proteção do Eixo 01 Definição detalhada de instrumentos de proteção, gestão e gestão adequados aos valores jacobinos; gestão de abrigos por meio de um decreto específico e acompanhamento de sua implementação; convenções de disciplina e segurança com o Ministério do Interior (SEPRONA e Guardia Civil)
Desenvolvimento do Eixo 02. Intervenções para a melhoria da segurança, qualidade e continuidade das diferentes estradas (Puente Villarente, Fromista, ...); intervenções para a melhoria da saúde em abrigos, fontes e centros de saúde (Plano de Saúde dos albergues, auxílio à melhoria de abrigos, intervenções em fontes, ...); sinalização e melhoria da informação; ...
Difusão do Eixo 03. "Marcos rodoviários" ou desenvolvimento de projetos culturais ao longo dos diferentes caminhos; "Programa Aberto"; "Exposição Histórica" do Caminho no 5 CCAA; programa educacional (jogo Oca, unidades de ensino); organização de visitas; Congresso "Estradas Vivas"; Exposição em Nova York em colaboração com o WMF e Promoção do Caminho de Santiago nos EUA para o ano jacobino 2010
Áreas de proteção de acordo com escala e grau de conservação
Escopo de proteção ambiental (ambiente imediato), APP. A primeira tarefa será despejar, no Cadastro, os ambientes definidos no relatório da UNESCO sob o título "centros populacionais, enclaves de alto interesse ambiental do Caminho de Santiago, identificação e delimitação". O objetivo é digitalizar as áreas da UNESCO pelos lotes e espaços públicos afetados. Não se esqueça que a UNESCO marca 30 metros de condição patrimonial a partir do limite externo e a Lei de Proteção de Estradas:
Com o objetivo de salvaguardar o Caminho, como bem de interesse cultural, estabelece-se uma área de proteção ao meio ambiente, composta por duas faixas de 30 metros de largura, contadas a partir dos limites externos do mesmo, em que o uso da terra estará sujeito à autorização do Ministério da Cultura, após relatório obrigatório do Comitê Consultivo do Caminho de Santiago.
Isso recomenda o desenho de duas linhas, a UNESCO (outras 30 metros ou aquela desenhada em aviões) e a do Tabuleiro (30 metros) sobre as quais, em seguida, ajustar os limites para "proteção do meio ambiente" quando NÃO corresponderem (serão exceções a serem tratadas como informações separadas). Nas áreas urbanas é concreto no documento da UNESCO, mas terá que ser levado para o campo. Você não precisa digitalizar por maçãs, mas os enredos que dão fachada aos espaços a serem protegidos, a parte do palco. Os núcleos que não estão no dossiê da UNESCO terão de ser interpretados.
Na área de Área de Proteção Ambiental (ambiente imediato), será feita a APP fi-chas (a partir do Catastro) das fazendas afetadas pelo campo, sejam públicas ou privadas com o tamanho da fazenda, a referência cadastral, o proprietário (se for possível acessar essas informações via Catastro de forma rápida e eficiente), etc...
As diferentes situações nesta área são: 
• Propriedade epúblico ou privado.
• Uso privado, serviço público e uso público.
• Gestão privada, consorciada ou pública.
O critério de delimitação desta área será generoso. Onde há várias ruas paralelas em um núcleo, tanto (sempre identificando aquelas que já estão na delimitação da UNESCO e que estão na da Xunta) quanto quando espaços públicos, com arquitetura tradicional, navios de cruzeiro, fontes ou outros elementos de interesse patrimonial estão a menos de 100 metros de distância também serão incluídos na delimitação. No final, teríamos três linhas para alcançar apenas uma:
- Linha UNESCO (do arquivo).
- Linha Xunta (do arquivo).
- Linha da nossa proposta (em campo).
O Caminho Francês na Galícia
Através dos critérios da Lei de Proteção do Caminho, da Deslinde galego e da UNESCO queríamos alcançar esses objetivos, nas quatro áreas:
- Definir o Caminho de Santiago: largura, tipo de pavimento (pedra, terra, asfalto, ce-mento, etc...), meio ambiente (rural, urbano, fonte, ponte, etc...), vocação (passagem, caminhada, contemplação, gozo patrimonial, ...)  e uma clara tramificação das Vias Jacobinas de acordo com os "constrangimentos" anteriores e cada seção: altura na partida, altura na chegada, inclinação média, inclinação máxima, orientação média, uso da terra em um ambiente de 100 metros em cada lado das Estradas (tipificado em 10 ou 15 categorias, etc...), BICs no ambiente, outros elementos no meio ambiente (turístico , equipamentos, elementos culturais não catalogados, lazer e lazer, serviços, ....)
- Uma definição da evolução histórica do Caminho com atenção aos fenômenos que geraram suas alterações mais importantes: reservatório de Portomarín, aeroporto, conversão do C-535 de suas origens ao longo da história.
- Análise das infraestruturas associadas à estrada como travessias, pontes, fords, viadutos, passarelas, defesas (e infraestruturas de segurança), contatos e convivências com outras infraestruturas próximas (pontes, estradas, etc...), etc....
- Análise de caminhos semelhantes em outros países e seus mecanismos de gestão.
- Definir um mapa geral da área com estradas, estradas rurais e estradas de concentração que possam ser alternativas ao Caminho ou fazer parte dos acessos a outros pontos de interesse do patrimônio, turismo, etc... (A SITGA tem muito avançado). O escopo seria a Área de Condição Territorial (Intervisibilidade), AAT.
- Definir as áreas de proteção e condição:
1.    Proteção demanial (Domínio Público), APD
2.    Proteção ambiental (ambiente imediato), APP
3.    Condição Funcional (Área de Influência), AAF
4.    Condição Territorial ou Visual (Intervisibilidade), 
5.    AAT ou AAV

 

Estrategia CYL

Camino Santiago

Ruta Cultural Europea

Camino Frances Galicia

Camino Francés en Galicia, Galicia tiene 7 caminos reconocidos

Arquitectura del Camino de Santiago

Protección arquitectónica y urbanística del Camino de Santiago

Camino Frances I
Propuesta para el Camino Francés en Galicia
Estrategia CYL
Estrategia Regional 2009 de los Caminos Jacobeos
Estrategia 2009
Conjuntos Históricos
Mostrar más

© 2016 TERYSOS DO BRASIL, Ltda, director: José Antonio Hoyuela Jayo