Proteção paisagística dos morros da zona sul, processo 869-T-73, anexo do projeto PRODOC 4018 (UNESCO - IPHAN, 2017-2020), consultoria para normatização e para a gestão do Patrimônio Cultural Brasileiro, Rio de Janeiro, Paisagens Cariocas, "entre a montanha e o mar"

A proteção da paisagem, o processo de tombamento de 1973, e os morros “paisajísticos”, estudo para nota técnica do processo de rerratificação elaborado por Isabelle Cury (IPHAN), e José Antonio Hoyuela Jayo (consultor do IPHAN e da UNESCO)

Em 1973 foi efetivado o tombamento dos morros de Pão de Açúcar, Corcovado, Urca, Babilônia, Gávea (Penhasco da Pedra da Gávea), Dois Irmãos (Penhasco dos Dois Irmãos) e Cara de Cão, dessa vez, no livro Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico, Processo 0869-T-73. Em 2019 fui convidado a participar do processo de rerratificação. Primeiro com Isabelle Cury, elaboramos uma proposta de delimitação e de resiginificação (revisão dos valores, atributos e caraterísticas dos bens). Depois com uma equipe técnica coordenada pelo DEPAM (grupo de trabalho) se procederia a validação dessa proposta, que atualmente está em discussão para a reratificação junto ao IPHAN.

Em 1862, Auguste Glaziou, eminente paisagista, autor do Campo de Santana, e da Quinta de Boa Vista, projetou uma reforma de estile romântico inglês para “contemplação da natureza, correria alegre de crianças, o footing, o flirt, o culto de Eros nas aleias umbrosas e o de Baco nos cafés e bares instalados no seu interior”. No governo de Pereira Passos (1902-1906), um grande aterro, que seria a base do futuro Flamengo, separou o Parque da borda do mar, é nos anos seguintes, na década de 30, será construída como complemento, conectando com a base do outeiro da Gloria, a Praça Paris, que será muito apreciada pela burguesia carioca, é construída com um traçado neoclássico onde se destacavam chafarizes, estatuetas e densa vegetação em “parterres” com canteiros muito geométricos. Desmonte dos Morros: 1880-1906 Senado; 1920-22 Castelo; 1922 Morro da Viuva; 1950’ Santo Antônio; 1960’ Flamengo.


Os morros do Pão de Açúcar (52), da Urca (53), da Babilônia (54), e de Cara de Cão (58), assim como os Penhascos dos Dois Irmãos (56) e da Pedra da Gávea (57) e o Penhasco do Corcovado (55), espaço também chamado de Penedia do Corcovado, p.e. na portaria 104) foram tombados no processo 869/T-73 e inscritos no Livro Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico (inscrições:052-058) na data de 8-8-1973. Antes, no processo 99 – T – 1938, tinham-se tombado como conjuntos paisagísticos os “Morros do Distrito Federal”, hoje da Cidade do Rio de Janeiro, também chamado tombamento dos morros históricos, inscritos nos livros de Belas Artes (vol 01, folha 0027 e inscrição 0151) e do Tombo Histórico (vol 01, folha 0013, inscrição nº 70), ambos em 30 de junho de 1938) e que envolvia os morros que ficaram: Conceição, São Diogo, São Bento e parcialmente Santo Antônio, já que os outros morros tinham sido derrubados: Senado (1880-1906), Castelo (1920-22), Morro da Viuva (1922); mas, mesmo protegido, Santo Antônio será parcialmente derrubado na década de 1950’.
 

Slide1
Slide2
Slide16
Slide32
Slide54
Slide55
Slide56
Slide53
Slide37
Slide33
Slide60
Slide10
Slide135
Slide67
Slide4
Copia de Slide33
Slide6
Slide7
Slide8
Slide131
Copia de Slide62
Copia de Slide65
Copia de Slide63
Slide30
Slide29
Slide28
Slide17
Slide39
Slide41
Slide40
Slide42
Slide16
 
 
Slide33
Slide10
Slide11
Slide13
Slide113
Slide114
Slide116
Slide131
Slide115
Slide133
Slide36

Os morros

 
Slide32
Copia de Slide59
Copia de Slide62
Copia de Slide65
Copia de Slide66
Copia de Slide63
Slide4
Slide29
Slide28
Slide20
Slide21
Slide22
Slide19
Slide18
Slide24
Slide23
Slide9
Slide17
Slide16
 
Slide2
Slide6
Slide37
Slide7
Slide36
Slide11
Slide32
caratula 07
Slide8

O processo de delimitação

 
caratula 03
Slide206
Slide207
Slide196
Slide192
Slide180
Slide185
Slide169
Slide139
Slide137
Slide138
Slide136
Slide135
Slide134
Slide133
Slide132
Slide131
Slide128
Slide130
Slide129
Slide127
Slide126
Slide124
Slide125
Slide123
Slide121
Slide122
Slide120
Slide119
Slide118
Slide117
Slide116
Slide115
Slide114
Slide113
Slide112
Slide111
Slide110
Slide109
Slide108
Slide107
Slide106
Slide105
Slide104
Slide103
Slide102
Slide101
Slide100
Slide99
Slide98
Slide97
Slide96
Slide95
Slide94
Slide93
Slide92
Slide91
Slide90
Slide89
Slide88
Slide87
Slide86
Slide85
Slide84
Slide83
Slide82
Slide81
Slide80
Slide79
Slide78
Slide77
Slide76
Slide75
Slide74
Slide73
Slide72
Slide70
Slide71
Slide69
Slide68
Slide66
Slide67
Slide65
Slide64
Slide63
Slide62
Slide61
Slide60
Slide59
Slide58
Slide57
Slide56
Slide55
Slide54
Slide52
Slide53
Slide51
Slide50
Slide49
Slide47
Slide48
Slide46

Bibliografia

Cury, I. (2002). Paraty. Em J. Pessôa, & G. Piccinato, Atlas dos Centros Históricos do Brasil (pp. 178-185). Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

Cury, I. (2004). Cartas patrimoniais. 3 ed. rev. e aum. Rio de Janeiro: IPHAN.

Cury, I. (2008). O estudo morfológico de Parati, no contexto urbanístico das cidades marítimas atlânticas de origem portuguesa. São Paulo: Tese de Doutorado da USP.

Cury, I. (2012). A construção do conceito de Paisagem Histórica Urbana. Em Anais do 2° Colóquio Ibero-americano Paisagem Cultural, Patrimônio e Projeto. Belo Horizonte: Instituto de Estudos de Desenvolvimento Sustentável, IEDS.

Cury, I. (2015). A construção do Sistema de Paisagens Nacionais no Rio de Janeiro e o sítio da paisagem cultural carioca patrimônio mundial. Belo Horizonte: Anais IV cológuio Iberoamericano: Paisagem cultural, patrimônio e projeto. Acesso em 2018, disponível em http://www.forumpatrimonio.com.br/paisagem2016/trabalhos

Cury, I., & Hoyuela Jayo, J. A. (2018). Monitoramentot das Paisagens Cariocas. Anais do 5º colóquio ibero-americano da paisagem cultural: patrimônio e projeto. Belo Horizonte: PPG-ACPS (UFMG) e IEDS, IPHAN e ICOMOS Brasil. Fonte: https://issuu.com/antoniohoyuelajayo3/docs/monitoramento_das_paisagens_cariocas_isabelle_cury

Hoyuela Jayo, J. A. (2013). O papel da paisagem no desenvolvimento sustentável. Belo Horizonte: Observatorio da Diversidade Cultural (Web).

Hoyuela Jayo, J. A. (2017). A paisagem como instrumento para um planejamento sustentável: uma visão dialética entre Europa e o Brasil. Em M. L. OLIVEIRA, M. M. CUSTÓDIO, & C. C. LIMA, Direito e paisagem: a afirmação de um direito fundamental individual e difuso (pp. 39-77). Belo Horizonte: Editora D’Plácido.

Hoyuela Jayo, J. A. (2018 a). Produto 3: Metodologia de abordagem. As paisagens cariocas e as portarias federais. Em Projeto PRODOC. Gestão compartilhada do Patrimônio Cultural brasileiro (914BRZ4018). Projeto 1/2017 IPHAN (SA-1949/2017) – UNESCO (573382). Rio de Janeiro: UNESCO & IPHAN.

Hoyuela Jayo, J. A. (2019). A Chancela da Paisagem Cultural Brasileira. Subsidios para a integração da Paisagem e do Territóroio na normatização e na gestão do Patrimônio Cultural brasileiros. Rio de Janeiro: IPHAN, grupo de trabalho da Chancela Cultural brasileira.

Hoyuela Jayo, J. A. (2019). Os riscos derivados das mudanças climáticas no Rio de Janeiro, Patrimônio Mundial como paisagem cultural . Anais de ICOMOS 2019. Belo Horizonte: EIDS.

Hoyuela Jayo, J. A. (2020). As paisagens da orla do Rio. A ORLA DO RIO - A Construção do Espaço Público Emblemático da Cidade (. Rio de Janeiro: INEPAC.

Hoyuela Jayo, J. A. (Novembro 2017). Patrimônio Cultural e, ou é, Paisagem? Brasilia: DEPAM, IPHAN.

Hoyuela Jayo, J. A., & Cury, I. (2018). As paisagens cariocas no âmbito dos tombamentos federais: propostas para seu ordenamento e gestão. Anais do 5º colóquio ibero americano da paisagem cultural: patrimônio e projeto. Belo Horizonte: PPG-ACPS (UFMG) e IEDS. Fonte: https://issuu.com/antoniohoyuelajayo3/docs/as_paisagens_cariocas_e_tombamentos

Relatório do IPHAN sobre o processo de tombamento dos morros da zona Sul, processo 869/T/73, por Isabelle Cury